• Agenda

    julho 2015
    S T Q Q S S D
    « jun   ago »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categoria

  • Arquivo

  • Blog Aécio Neves

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Anastasia quer dar mais agilidade ao processo de interdição

Projeto apresentado apresentado nesta quinta-feira (08) quer agilizar processo judicial que prejudica os que mais precisam de cuidados.

Proposta será apreciada inicialmente pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), no Senado.

 Fonte: PSDB

Anastasia quer dar mais agilidade ao processo de interdição

O projeto prevê todo o processo necessário para a agilidade da ação. Fotos: Omar Freire/Imprensa MG.

Pessoas com incapacidade de exercer pessoalmente atos da vida civil precisam ser interditadas. É o que prevê a lei hoje. Ocorre que o processo judicial para esse fim pode ser demorado e penoso, prejudicando justamente aquelas pessoas que mais precisam de cuidados. Em razão disso, muitas vezes, elas acabam ficando sem acesso a benefícios como a aposentadoria ou pensão. Novo projeto de lei do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), apresentado nesta quinta-feira (08/07), quer desburocratizar e agilizar esse processo.

Pela proposta (PLS 452/2015), assim como ocorreu com casos de separação sem litígio, o processo de interdição poderá ser coordenado pelo próprio Oficial de Registro Civil de Pessoais Naturais. Nesse caso, o pedido da interdição deve ser feito por um de seus familiares, acompanhado de advogado. Para garantir a correção e segurança do processo, depois de reunida a documentação que comprova a necessidade do ato, o Ministério Público deverá dar seu parecer para então o juiz decretar a interdição.

O projeto prevê todo o processo necessário para a agilidade da ação. Nele deverá constar, por exemplo, as devidas provas da necessidade da interdição como laudos médicos e documentos que comprovem a incapacidade para atos da vida civil do interditando. A substituição do curador também poderá ser processada de forma administrativa pelo próprio Oficial de Registro Civil.

“A interdição judicial é um processo lento e burocrático. O Judiciário não tem conseguido atender à demanda, que inevitavelmente crescerá, tendo em vista o aumento da expectativa de vida da população. Sabemos do cuidado que temos que ter com esse tema e apresentamos um projeto de lei que dá uma alternativa segura e ao mesmo tempo torna o procedimento mais ágil. Isso beneficiará o serviço público e o próprio cidadão interessado”, explica Anastasia.

A proposta será apreciada inicialmente pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Se aprovada no Senado, seguirá também para apreciação da Câmara dos Deputados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: