• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categoria

  • Arquivo

  • Blog Aécio Neves

  • Anúncios

Governo Anastasia: Mutuários da Cohab em Minas já começam a fazer benfeitorias com baixa prestação

Após adquirir a casa própria, construída pela Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab/MG) e financiada com subsídio do Governo Anastasia, mutuários estão agora personalizando suas novas moradias. Graças à economia que fazem com as baixas prestações dos financiamentos, as famílias estão investindo cada vez mais em ampliações e benfeitorias.

Em Mateus Leme, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), por exemplo, muitos moradores já construíram muros com revestimento de cerâmica, estenderam coberturas sobre áreas livres, principalmente de serviço, ou até mesmo já se preparam para aumentar de 2 para 3 o número de quartos, oferecendo ainda mais espaço e conforto para seus familiares.

No Conjunto Habitacional Vila Suzana, com 103 casas e inaugurado em maio de 2007, a mutuária Luzia Maria Custódio, 61 anos, é um desses exemplos. Mãe de duas filhas e avó de quatro netos, dona Luzia conta que morava de aluguel em Belo Horizonte e, não tendo mais condições financeiras para custear as despesas domésticas, decidiu se mudar para Mateus Leme, onde o custo de vida é mais barato.

Com tempo suficiente de domicílio (mínimo de um ano) para se inscrever como candidata ao Programa Lares Geraes – Habitação Popular (PLHP), dona Luzia foi selecionada por ser arrimo de família. E a partir do momento em que recebeu as chaves da casa, a sua vida começou a mudar para melhor. “Foi uma benção de Deus. Foi muito importante para mim, porque eu sabia que ia poder pagar pela minha própria casa”, lembra.

Hoje, dona Luzia paga prestação de R$ 55,60 por mês, valor cinco vezes menor que o preço do aluguel que pagava antes. Com a economia, assim como outros mutuários, dona Luzia vem colocando a casa do seu próprio jeito, dentro do que permite o contrato do programa Lares Geraes.

Assim, já conseguiu juntar dinheiro para murar a casa e se sentir mais segura. Também fez uma área coberta e está comprando materiais para ampliar a casa, com a construção de mais um quarto, de acordo com o permitido pelo projeto. “Segui tudo direitinho, porque não quero perder o seguro”, explica Luzia, fazendo planos para o futuro da casa, trazendo mais conforto para si e o sobrinho que mora com ela. “Muitas pessoas sonham em ter uma casa como a minha do jeito que recebi da Cohab. Daqui uns tempos então, nem se fala”, comemora a mutuaria, que se orgulha por não atrasar nenhuma prestação.

Donizete

Assim como dona Luzia, o mutuário José Donizete Mateus, 52 anos, resolveu se mudar para Mateus Lemes para tentar a sorte e mudar de vida. Ele morava de aluguel com seus pais em Bambuí, no Centro-Oeste do Estado, onde garantia o sustento da família trabalhando na roça. Em Mateus Lemes, seu destino começou a melhorar. Arrumou emprego como servente de pedreiro e realizou o sonho da casa própria, sendo o proprietário no Conjunto Habitacional Vila Suzana.

Com a aquisição da casa, José teve a chance de tirar os pais da roça e trazer para junto dele. Hoje, a família está completa e feliz. O pai, Sebastião Marcos Mateus, 82 anos, e a mãe Teresinha Gomes Mateus, 83, recebem toda a atenção e carinho do filho. Sem precisar mais pagar aluguel, Donizete sabe aplicar o dinheiro fruto de economia. Já está tudo pronto para o início da obra de ampliação da cozinha, após aprovação pela prefeitura. Com isso, haverá mais espaço para o preparo da comida e para reunir família e amigos, num ambiente ao gosto mineiro, em que, além de lugar para as refeições, a cozinha é preferida para colocar a conversa em dia.

“Não tinha minha casa própria, pagava aluguel e trabalhava duro na roça. Com esse programa Lares Geraes, tive a oportunidade de melhorar minha vida. Dou muito valor ao nosso lar, pago em dia as prestações e estou fazendo melhorias para que a nossa casa fique ainda melhor. A nossa cozinha agora vai ficar ainda mais gostosa”, comemora José Donizete.

Ele também faz questão de falar sobre a qualidade da estrutura das casas da Cohab/MG. “O nosso conjunto foi muito bem planejado e construído, e nenhum morador reclamou de problemas na casa. Não precisamos preocupar em fazer consertos. É só cuidar da manutenção, poupar as economias e fazer obras de ampliação, de acordo com o que cada família precisa e pode”, finalizou.

 

Anúncios

Governo Anastasia entregou 632 casas populares

Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab/MG) liberou, do dia 27 de agosto a 18 de setembro, as chaves de 632 novas casas construídas dentro do Programa Lares Geraes – Habitação Popular, do Governo Antonio Anastasia. As moradias foram entregues em doze conjuntos habitacionais e onze municípios de diferentes regiões do Estado.

Em Carmo da Cachoeira, Sul de Minas, o presidente da Cohab/MG e o prefeito Hélcio Chagas entregaram, no dia 27 de agosto, as chaves das 15 casas do Conjunto São Francisco, cujas obras tiveram investimentos de R$ 452 mil. Uma das famílias beneficiadas é chefiada por Beatriz Fátima da Silva, 40 anos.

Ela tem três filhas – Tainá, 15; Tayane, 14; e Taís, 10 – e é viúva há um ano. Antes de receber as chaves de sua casa, a família ficava em uma moradia cedida pelo ex-sogro, a cerca de 100 metros do Conjunto Habitacional São Francisco. “O meu sogro estava só esperando eu me mudar, para vender a casa que me cedeu”, conta, dizendo ainda que não poderia comprá-la, por falta de condições financeiras.

Na mesma região, a Cohab/MG liberou, no dia 3 de setembro, as 30 unidades do Conjunto Dona Olívia Noronha Nogueira, em Olímpio Noronha, que custaram R$ 838 mil; e 30 do CH Lagoinha, em Ijaci, no qual o Governo de Minas aplicou R$ 821 mil. Nos três municípios, foram gerados durante as obras cerca de 220 empregos diretos e indiretos, segundo estimativas da Diretoria de Desenvolvimento e Construção (DDC).

Mulheres

Do total de famílias beneficiadas em Olímpio Noronha e Ijaci, 26 contratos foram firmados por mulheres que, além de titulares do financiamento, são chefes de família. Em Olímpio Noronha, Teresa Cristina Antunes, 43 anos, é uma delas. Mãe de Bruno, 25; Dener, 17; Sandro, 11; e Flávio, 3 anos, ela morava em uma casa alugada com os três filhos mais jovens. “A casa era grande, mas bem velha”, conta a mutuaria, que pagava o aluguel de R$ 100, as contas de água, luz e alimentação. Para ela, receber as chaves da casa própria é uma bênção. “Faz dez anos que eu me separei do meu marido e desde então pago aluguel”, conta Teresa.

Em Ijaci, Clarice Auxiliadora da Silva, 30 anos, recebeu as chaves, representando os moradores do Conjunto Lagoinha. Mãe de Pablo, 13; Paulo, 8; Paula, 7; e Tainá, 4 anos, ela morava com os filhos em um barracão nos fundos da casa do pai, desde que se separou 13 anos atrás. Antes, morava de aluguel. “É uma satisfação muito grande. Quando o funcionário da prefeitura me ligou pedindo que eu levasse os meus documentos, foi um alívio”, conta Clarice. Agora, ela tem um endereço só seu à rua Minas Gerais nº 142, Conjunto Habitacional Lagoinha, que conta com aquecedor solar.

Já em Ubá, Zona da Mata, no dia 28 de agosto, foram entregues a 91 mutuários as casas do CH José Cavaliere (75 unidades) e do CH Bairro Olaria (16).  Um dos beneficiados, o mutuário Amarildo de Aguiar, 45 anos, ao conhecer sua nova casa, totalmente adaptado às suas necessidades de pessoa deficiente, desabafou: “Agradeço a Deus e ao apoio de todos. Estou muito feliz. Eu vou pagar em dia uma coisa que vai ser minha. Parabéns ao pessoal da Cohab/MG pelo que fizeram por mim”.

Ainda no dia 3 de setembro, na região Norte de Minas, o presidente Mauro Brito entregou, em Varzelândia, o Conjunto Professora Deusânia de Oliveira, com 53 casas. Na construção do conjunto, o Governo de Minas aplicou, com recursos do Fundo Estadual de Habitação (FEH), o total de R$ 1 milhão, que gerou durante as obras cerca de 110 empregos diretos e indiretos, segundo estimativas da DDC. Uma das trinta e seis famílias beneficiadas é a de Graziele Luana de Souza, 24 anos. Ela mora com a mãe e uma irmã. Antes de receber as chaves de sua casa, a família vinha morando em uma moradia alugada. “Fiquei feliz demais quando soube que receberia a casa, e já estou comprando os móveis.” A mais nova moradora da casa número 32 do Conjunto Jardim Alvorada, trabalha há 4 meses como auxiliar administrativa, concursada na prefeitura, e recebe R$ 575 ao mês.

No Triângulo Mineiro, o chefe do escritório de Uberaba, Antônio Heitor, entregou, em 10 de setembro, as 50 casas do Conjunto Vitalino Bragato, no município de Conquista. O Governo de Minas investiu R$ 1, 6 milhão, e durante as obras fora criados cerca de 150 postos de trabalho diretos e indiretos.

Uma das beneficiadas foi Úrsula Maria Ramires Costa, 37. Solteira, ela mora com dois filhos, Gabriel, 5, e Isabela, de um ano e meio. Com o recebimento das chaves da sua nova casas, Úrsula deixa de pagar os R$ 250 de aluguel e passa a assumir compromisso com uma prestação de aproximadamente R$ 100. “Dizer que estou feliz é pouco. Eu acompanhei a construção do conjunto mesmo sem saber se iria conseguir a casa”, comentou.

Ainda no Triângulo, 232 famílias de Ituiutaba receberam suas casas, do Conjunto Carlos Dias Leite, entregue no dia 16 de setembro. Na cerimônia oficial, foi entregue, junto com as chaves de cada casa, uma muda de árvore. O Governo de Minas investiu nas obras R$ 6.572.357,14, que propiciaram a geração de 700 empregos diretos e indiretos.

Por fim, na região Centro-Oeste foram entregues novos conjuntos em quatro municípios. No dia 9 de setembro, em São José a Varginha, o vice-presidente Mauro Bomfim inaugurou o Conjunto Jardim Alvorada, com 36 moradias.

No dia 17 de setembro, o presidente da Cohab/MG, Mauro Brito, foi à Vargem Bonita, para entregar o Conjunto Habitacional Jenipapo, que atendeu 40 famílias. A construção das 40 casas do Conjunto Jenipapo, custou ao Governo do Estado R$ 951.815,15, e gerou cerca de 120 empregos diretos e indiretos.

Em 18 de setembro, em São Gonçalo do Pará, foram entregues as chaves do Conjunto Sinésio Ferreira de Lima II, com 25 casas; e do Conjunto João Filgueiras da Costa, com 20 casas, em Pedra do Indaiá.  Nos empreendimentos foram investidos R$ 1.684.021,93 do Fundo Estadual de Habitação (FEH). Em Pedra do Indaiá, dona Maria Inês dos Santos, 63 anos, foi contemplada dentro da cota para idosos. Hoje, ela mora em uma casa alugada por R$ 260 com um filho e dois netos de 16 e 10 anos. Entusiasmada, Maria Inês já pensa nas mudanças que vai fazer na casa. “Lá eu vou pagar o que é meu. Para mudar, preciso construir mais dois quartos e uma varanda na cozinha”, conta.

 

Habitação: Gestão de Aécio Neves e Antonio Anastasia beneficiam 27 mil famílias – mais de 100 mil pessoas – com a casa própria

Em Minas, 27 mil famílias de baixa renda realizam o sonho da casa própria

Fonte: Coligação “Minas Gerais”

Desde 2003, programa Lares Geraes da Cohab-MG atende trabalhadores que ganham de um a três salários mínimos

De 2003 até o final deste ano, o Governo do Estado terá atendido 27 mil famílias mineiras de baixa renda com a tão sonhada casa própria. Elas estão sendo beneficiadas pelo Programa Lares Garaes, executado pela Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab-MG), durante as gestões do ex-governador Aécio Neves e do governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição.

O Lares Geraes se destina a trabalhadores que ganham de um a três salários mínimos. O prazo de financiamento é de 20 anos e a prestação varia de acordo com a renda do trabalhador. Em média, a prestação da casa própria sai a R$ 90,00/mês para quem ganha até um salário mínimo.

O número de casas próprias construídas pelo Governo do Estado nos últimos oito anos corresponde a mais de duas vezes o total de casas entregues nos 15 anos anteriores de atividades da Cohab-MG. Os investimentos feitos no programa, de 2003 a 2010, somam R$ 599 milhões.

Economia de energia

Para garantir mais qualidade de vida e ajudar as famílias que estão realizando o sonho da casa própria pagarem conta de energia mais barata, a Cohab-MG assinou em 2008 convênio inédito com a Cemig. Pelo convênio, estão sendo instalados aquecedores solares em 15 mil casas atendidas pelo programa Lares Gerais. Até agora, já foram beneficiadas mais de 2 mil famílias.

Saneamento e saúde

O Governo de Minas também está melhorando a qualidade de vida dos mineiros com a ampliação da oferta de água e tratamento de esgoto. A Copasa aumentou em 2,4 milhões o número de pessoas atendidas com abastecimento de água, nos últimos sete anos, e em 2,7 milhões o número de pessoas atendidas com coleta de esgoto.

Atualmente, a Copasa possui 102 Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) em operação no Estado. Outras 64 já estão obras e cinco estão para serem licitadas. A companhia está, ainda, com 47 ETEs projetadas para serem construídas.

A implantação das ETEs e de redes coletoras de esgoto permitiu que o volume de esgoto tratado no Estado aumentasse de 22 milhões de metros cúbicos em 2003 para 150 milhões de metros cúbicos no final de 2009, o que representa um acréscimo de 581,8%.

Presente em 613 municípios mineiros, a Copasa investiu, de 2003 a 2009, R$ 4,6 bilhões em saneamento básico. Neste ano, serão mais R$ 950 milhões.

Governo de Minas entrega casas para 30 famílias na cidade de Natércia

Trinta famílias de Natércia, no Sul de Minas, receberam do Governo de Minas, nesse domingo (6), as chaves das casas do Conjunto Habitacional Prefeito Senhor Luís Lopes Fernandes, construído pela Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab/MG) dentro do programa Lares Geraes – Habitação Popular (PLHP). Entre as famílias beneficiadas está a de Osiele Aparecida de Cássia Siqueira, 23 anos, que mora com o marido e a filha há dois anos e três meses numa casa alugada por R$ 150 por mês.

Osiele conta que soube da oportunidade de se inscrever para o Lares Geraes – Habitação Popular. Ela foi contemplada com a casa pela qual vai pagar uma mensalidade de menos de R$ 100. “Eu penso em usar o dinheiro que sobrar do aluguel para, futuramente, ampliar a casa, porque o lote também é muito bom”, diz Osiele.

Outra família atendida pelo Governo de Minas é a de Francisco de Almeida, de 68 anos. Aposentado, ele mora com a esposa e o filho de 4 anos de idade em uma casa próxima ao conjunto habitacional construído pela Gohab/MG. Hoje, Francisco paga R$ 200 e conta que já teve ocasiões em que pagou R$ 250l. “Já faz 15 anos que moro de aluguel. Se quando comecei a morar de aluguel estivesse pagando uma casa minha já estaria quase terminando de pagar”, conta Francisco que nunca teve moradia própria.

Modelo inovador de Habitação do Governo Aécio Neves será apresentado em seminário

Os incentivos dos governos para diminuição do déficit habitacional, como o Lares Geraes – Habitação Popular, do Governo de Minas, abrem inúmeras possibilidades para construtoras, fornecedores e profissionais do setor da construção civil. Consequentemente, exigem mais conhecimento técnico e de mercado para atender às exigências dos contratos. Estudo realizado pela Fundação João Pinheiro (FJP) em 2006 apontou déficit de 7,9 milhões de moradias no Brasil, sendo que a maioria, 82%, está localizada em áreas urbanas, sendo 89,2% concentrado na população com renda mensal de até três salários mínimos.

Essa realidade aponta para a necessidade de discutir os mecanismos existentes para implantação dos programas e seus desdobramentos. Pensando nisso, a Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab/MG) e a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP/MG) realizam nesta quinta-feira (20),  às 14h, o Seminário Habitação de Interesse Social com objetivo de apresentar ao mercado as inovações tecnológicas disponíveis para aplicação em habitações populares.

Na gestão Aécio Neves, a parceria entre Cohab/MG e ABCP propiciou o desenvolvimento de sistemas construtivos inovadores como a Casa 1.0, modelo de habitação amplamente difundido no país, e que, em Minas, já foi implantado nos municípios de Lavras, Inhaúma, Belo Horizonte, Betim, Nova Lima, Montes Claros, São Francisco  e mais 55 cidades por meio dos Programas Lares Geraes – Habitação Popular e Minas Solidária.

O presidente da Cohab/MG, Mauro Brito, avalia que o seminário será muito útil para a companhia e as construtoras, porque as palestras e debates técnicos apontarão as opções de soluções construtivas com melhor relação custo/benefício.

Na opinião do gerente regional da ABCP/MG, Lincoln Raydan, as ações não se resumem ao seminário. “A ideia é promover a multiplicação de técnicas inovadoras para o mercado de construção ligado à habitação popular, ampliando o conhecimento dos profissionais acerca de sistemas construtivos racionalizados o que trará consequentes benefícios para o mercado”, explica Lincoln.

Em 2009 a ABCP concluiu o projeto da Casa 1.0 com blocos de concreto de 9 cm modulados, o que favorece a execução das moradias nas cidades do interior uma vez que, este tipo de bloco, é mais fácil encontrar  nas fábricas locais.

Lares Geraes

Desde meados de 2005, quando se iniciou a execução do Lares Geraes – Habitação Popular (PLHP), o Governo de Minas, por meio da Cohab/MG, já concluiu ou está construindo 24.739 casas, das quais 22.017 já foram entregues. Esse número é muito superior ao total de casas edificadas durante 20 anos anteriores e beneficia cerca de 100 mil pessoas. O PLHP expressa a prioridade dada pelo Estado à redução do déficit habitacional em Minas e o compromisso de oferecer habitações dignas a um número crescente de famílias mineiras que ganham até três salários mínimos e não têm condições de adquirir a sua moradia própria.

A Cohab/MG tem o município como um dos principais parceiros do Governo de Minas na tarefa de combater o déficit habitacional entre as famílias com renda mensal de um a três salários mínimos. Para estabelecer convênio com a Cohab/MG, a prefeitura deve se comprometer a doar o terreno, regularizado juridicamente, urbanizado e com toda a infraestrutura de redes de água, esgoto e energia elétrica, pavimentação e escoamento de águas pluviais.

Governo Anastasia implementa Mutirão das Escrituras par atender os mutuários da Cohab Minas

Aproximadamente 22 mil mutuários da Companhia de Habitação de Minas Gerais (Cohab-MG) que assinaram seu financiamento habitacional até 31 de dezembro de 1987, ganharão condições para receber suas escrituras, assim que a quitação de seus contratos for reconhecida pela Caixa Econômica Federal. Outros 17 mil mutuários já tiveram seus contratos quitados e habilitados pela Caixa e começam a receber, gradualmente, o título de propriedade do imóvel por meio do Mutirão da Escritura.

Nas próximas semanas, o mutirão passa a entregar, para assinatura dos mutuários, cerca de 400 escrituras em Santa Luzia e, depois, cerca de 500 em Vespasiano. Em Poços de Caldas, foram entregues 250, em setembro do ano passado.

A habilitação dos contratos quitados também possibilita que a Cohab-MG recupere créditos do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS) e com eles pagar dívidas, junto ao Banco do Brasil, de empréstimos que tomou do FGTS para aplicar na construção dos imóveis financiados.

Para obter o reconhecimento da nova leva de contratos, a Companhia de Habitação contratou em licitação pública uma empresa especializada que vem fazendo o levantamento de toda a documentação do mutuário necessária ao processo. No dia 10 de maio, a empresa iniciará a análise de 19.500 contratos, cujos documentos foram coletados e catalogados desde 8 de março, visando habilitá-los junto à Caixa. Quando os processos forem aceitos, milhares de mutuários passarão a ter suas hipotecas liberadas e a tirar a escritura.

O gerente de Financiamento da Companhia de Habitação, Ivan Peixoto Felipe, ressalta que o prazo estipulado para o trabalho da empresa está adiantado em 20 dias. Para facilitar o andamento do serviço, a Cohab disponibilizou, no 5º andar de sua sede, um espaço destinado especialmente à empresa terceirizada. Falta agora reunir a documentação de cerca de mais dois mil contratos para que se atinja o total de 21,5 mil financiamentos liquidados segundo a Lei 10.150 de 2000, ou por término de prazo. O cronograma do trabalho prevê que a empresa vai concluir a habilitação em fevereiro de 2011.

“Esse esforço da Cohab é muito significativo. Mostra que estamos não apenas construindo e entregando novas casas do programa habitacional do Governo de Minas, o Lares Geraes, mas também empenhados em fazer as escrituras e entregá-las aos antigos mutuários, tornando-os donos de direito de seus imóveis”, justifica o presidente da companhia, Mauro Brito.

A Cohab-MG informa que só os mutuários que assinaram contrato até 31 de dezembro de 1987 e possuem a cobertura do FCVS recebem o benefício da Lei 10.150. Mas, para que a companhia recupere o crédito do FCVS, a Caixa Econômica Federal precisa analisar e aprovar cada contrato quitado. Para se beneficiar da Lei, para a qual a adesão é facultativa, a diretoria da Cohab foi previamente autorizada pelo Conselho de Administração da Companhia e pelo Governo de Minas, uma vez que o Estado é sócio majoritário da empresa.

A Companhia informa ainda que, se o mutuário tiver prestação vencida em atraso, deve procurar a Cohab-MG para as devidas negociações. Se o mutuário estiver em dia com o pagamento das prestações vencidas anteriormente, será libera a hipoteca do financiamento para que seja obtida a escritura definitiva da sua moradia.

Governo Aécio: Cohab melhora sistema de atendimento ao usuário

Entrou em funcionamento nessa terça-feira (16), a nova plataforma de atendimento da Cohab-MG. A medida faz parte dos aperfeiçoamentos de gestão adotados pela empresa, em curto prazo, como o novo atendimento a mutuários e prefeitos e a criação de novo boleto de cobrança de prestações, que terá dois códigos de barra, um para pagamento com o bônus de pontualidade e outro com pagamento sem desconto, eliminando a necessidade de segunda via dentro de um mesmo mês.

O presidente da Cohab-MG, Mauro Brito, definiu como prioridade a melhoria do atendimento ao mutuário. Para a mudança foram contratadas seis atendentes que trabalharão em dois turnos de cinco horas, preenchendo um expediente que vai de 8h às 18h.

O atendimento

A plataforma utilizada pelas atendentes é dividida em três etapas; o registro da demanda feita pelo mutuário mediante visita ou ligação telefônica ou ao atendimento pelo telefone (31) 3299-8687, o encaminhamento automático e informatizado da demanda para o setor que fará o atendimento e o acompanhamento da qualidade do atendimento. Caberá às atendentes abrir cada registro, o que consiste na identificação do mutuário pelo nome, CPF, número do contrato e cidade. Com um ou mais dados, a busca localiza os demais no Sistema Gestor Hipotecário 2000.

Por orientação do presidente Mauro Brito, o nome e o telefone do mutuário são as primeiras informações que as atendentes precisam colher. Essa medida permitirá que o mutuário seja contatado novamente, caso ocorra problema na ligação, por exemplo. Além do telefone (31) 3299-8687, continuam disponíveis para os mutuários os números (31) 3299-8689 para seguro por danos físicos na habitação; (31) 3299-8550 e 8512 para escritura; (31) 3299-8547 para transferência do imóvel; (31) 3299-8507 para seguro por morte ou invalidez permanente do titular do contrato de financiamento habitacional.

Após a identificação, as atendentes identificarão o tipo de chamado e preencherão um campo descritivo que será enviado automaticamente, via mensagem eletrônica, para a gerência responsável pelo tipo de demanda registrada. A partir daí o atendimento segue o fluxo determinado pela gerência de acordo com cada caso.

Durante o registro da demanda, as atendentes terão a possibilidade de checar a digitação de dados como nome e CPF do mutuário. Segundo a Gerência de Tecnologia de Informação, o programa é atualizado no final do expediente e consolida as informações no banco de dados da companhia.