• Agenda

    setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30  
  • Categoria

  • Arquivo

  • Blog Aécio Neves

  • Anúncios

Aécio acusa presidente Dilma de desonestidade intelectual

Aécio acusou o PT de “desonestidade intelectual” ao atacar o Fernando Henrique Cardoso e sugerir que ele não governou para os pobres.

Eleições 2014

Fonte: Estado de S.Paulo

Aécio acusa PT de ‘desonestidade intelectual’ ao atacar FHC

Tucano afirma que Dilma Rousseff deveria manter o País coeso, não transformar brasileiros em inimigos

O candidato tucano à Presidência, Aécio Neves, acusou o PT de “desonestidade intelectual” ao atacar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) e sugerir que ele não governou para os pobres.

“É triste, chega a ser melancólico, o início do segundo turno com esta perversa tentativa de divisão por parte do governo. É triste ver a presidente (Dilma Rousseff), que deveria ter responsabilidade de manter o País coeso, querer transformar os brasileiros em inimigos. Quero dizer à presidente que perder a eleição é do jogo. O que não pode é perder a coerência”, afirmou em entrevista coletiva, no Rio.

Aécio comentou as diferenças entre o que apontavam as pesquisas eleitorais e o resultado da votação do último domingo, quando ficou em segundo lugar com ampla vantagem sobre a candidata do PSBMarina Silva. “Alguns desses institutos de pesquisas devem explicação aos brasileiros. Alguns resultados fogem de qualquer lógica”, declarou.

O tucano disse que, mesmo quando Marina Silva passou a ocupar o segundo lugar nas pesquisas, continuou a acreditar que chegaria ao segundo turno. “Mesmo quando estava em terceiro lugar, não me considerei fora do jogo e estou longe de me considerar o candidato eleito”.

Sobre alianças para o segundo turnoAécio demonstrou tranquilidade em relação à manifestação de Marina Silva, que fez uma série de exigências para apoiá-lo. “Vejo com enorme naturalidade. Há uma convergência crescente entre os companheiros. Marina tomará decisão no tempo certo e será por nós respeitada”.

O candidato confirmou que receberá amanhã o apoio do PSB de Pernambuco, em ato no Recife que terá a presença de Renata, viúva do ex-governador Eduardo Campos, morto no dia 13 de agosto, e seus filhos. “É uma honra pessoal receber esse apoio”. Pela manhã, disse que o apoio da família Campos “tem um simbolismo muito grande”.

O candidato reiterou as promessas de revisão do fator previdenciário, mecanismo criado no governo FHC e mantido por Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff para evitar aposentadorias precoces. “Vamos encontrar uma forma que não seja tão perversa”. Aécio também se comprometeu com a correção da tabela do Imposto de Renda pela inflação e com a valorização real do salário mínimo.

O candidato também lembrou que hoje é o dia nacional da prevenção da violência contra a mulher. “Quero reiterar os compromissos de criar uma rede de proteção à mulher que sofreu violência”. Aécio passou a maior parte do dia no seu apartamento em Ipanema, na zona sul do Rio, em conversas por telefone sobre a agenda dos próximos dias e possíveis alianças para o segundo turno.

Anúncios

Pimenta: “Acho muito importante para o Brasil nós vencermos as eleições”

Eleições 2014

Fonte: O Tempo

Campanha fica nacionalizada e pode afastar os eleitores

Candidatos ao governo de Minas repetem discursos dos concorrentes à Presidência da República

ISABELLA LACERDA E GUILHERME REIS

Quem acompanha o dia a dia da campanha em Minas pode até se confundir e achar que Pimenta da Veiga (PSDB) e Fernando Pimentel (PT) são, na verdade, candidatos àPresidência da República. Os dois têm adotado discursos idênticos aos de seus padrinhos políticos, Aécio Neves e Dilma Rousseff, com posições iguais às externadas nacionalmente pelos postulantes ao Palácio do Planalto. O perigo da “nacionalização” da campanha, na análise de especialistas, é deixar as propostas regionais de lado e tornar cada vez menos atraente para o eleitor a disputa estadual.

 As bandeiras defendidas por Aécio aparecem todos os dias nas falas de Pimenta. Um dos temas mais comentados pelo presidenciável tucano nos primeiros dias de campanha, o Mais Médicos, ganhou espaço em Minas. Enquanto o senador acusou o programa de ser “80% propaganda e 20% efetividade”, o candidato do PSDB no Estado afirmou que as prefeituras mineiras têm enfrentado problemas com a qualidade dos médicos do programa. A economia também é tema recorrente. Para Pimenta, a inflação “é um crime”, já para Aécio a situação “é preocupante”.

A relação estreita e a citação frequente da candidatura de Aécio por Pimenta precisou ser explicada. “Falo muito na candidatura do presidente Aécio porque acho muito importante para o Brasil nós vencermos as eleições”, justificou o ex-ministro no última dia 22.

Nos discursos de Fernando Pimentel, o nome Dilma pode até aparecer com menor frequência, em compensação a palavra “governo federal” está sempre presente em suas frases. Além de defender o programa Mais Médicos – criado na gestão da presidente Dilma –, o candidato petista também faz questão de traçar boas perspectivas para a economia brasileira.

Enquanto a candidata à reeleição garante que “o Brasil vai bem”, seu ex-ministro aponta que o cenário nacional é “muito mais favorável do que o mineiro”.

Nesta quarta, durante caminhada em Betim, na região metropolitana, Pimentel listou iniciativas do governo federal no Estado e contrapôs com o que os tucanos fizeram durante a administração. “O transporte depende de investimentos estruturais que agora estão sendo feitos graças ao governo federal”, discursou.

Para o cientista político da PUC-Minas Moisés Augusto, a nacionalização da campanha é prejudicial, já que, enquanto os candidatos deveriam percorrer as cidades para levantar problemas regionais, estão debatendo temas que não são de responsabilidade deles. “Os problemas do Estado estão em segundo plano. Essa estratégia afasta cada vez mais o eleitor”.

Pressão externa

Nacional. Para Moisés Augusto, a cópia dos discursos dos presidenciáveis e dos candidatos em Minas acontece “em função da pressão nacional”. “Para eles é bom. Mas quem perde é o Estado”.

Pimentel diz que adversário terá que rezar

candidato do PT ao governo de MinasFernando Pimentel, fez nesta quarta uma provocação ao seu principal adversário, Pimenta da Veiga (PSDB). Durante caminhada em Betim, o petista afirmou que o grupo tucano “terá que rezar muito para que o povo tenha paciência” e acredite nas promessas feitas para melhorar a mobilidade urbana, como o Rodoanel.

“Eles (os tucanos) tiveram 12 anos para resolver os problemas prioritários do Estado e não resolveram nenhum”, criticou.

Pimenta quer atrair mais empresas

Em visita ao Centro-Oeste e ao Sul de MinasPimenta da Veiga prometeu atrair para o Estado indústrias de alta tecnologia.

Em Piumhi, Pimenta explicou que quer agregar valor ao produto mineiro. “Piumhi é um exemplo porque é um dos maiores exportadores do Estado. Desejamos aproveitar esta vocação mineira com a terra e com o subsolo para processar esses produtos primários. Assim vamos gerar mais empregos e agregar valor.”

INFOGRÁFICO – DISCURSO